quarta-feira, novembro 26, 2008

Hiatus

Como diria o Morrissey: I know, it's over.

Não vou deletar o blog. Se até hoje eu tenho o meu caderno de redação da primeira série, do fundamental, por que me desfazer de algo mais recente? Vai continuar aqui, só não terá atualizações.

Cansei de blogs. Estou cortando meus feeds pela metade (ou mais). Meus blogs preferidos estão acabando. Mimimi blogosfera, mimimi ranking, mimimi encontros de blogueiros, mimimi. É mimimi demais e de Mymi basta eu.

Como disse o meu amigo Spaf: "Os zumbis vão vencer porque as pessoas vão estar muito ocupadas postando [em seus blogs]como estão apavoradas ao invés de pegar em armas e lutar pela humanidade".

Eu quero sobreviver a um ataque zumbi.

terça-feira, outubro 07, 2008

Now she's a turtle

Com o retorno do iPof tenho ouvido músicas como não ouvia desde a décima quinta formatação do meu HD. Claro que o blip contribuiu pra intensificar essa vontade de ouvir música. Só que o blip é pesado demais para um computador tão velho como o meu. Logo, fico só no iPof. O blip fica para datas comemorativas.

Daí vem a questão: o que eu ando ouvindo? Muita coisa eu vou omitir, por vergonha. Digo que tem uma banda nacional, cujo vocalista tem uma dicção horrível e uma voz pior. Essa mesma banda tem um modo de se portar que eu acho ridículo e o vocalista é nojento. Gostei da música, fazer o quê, shame on me.

Fora isso baixei um The Best of Siouxsie and the Banshees. E é disso que eu vim falar. Já conhecia alguma coisa como Christine, the strawberry girl, e Happy House, que acaba me lembrando do Dr. House (mesmo ele não sendo nada happy).

Parei pra ouvir o cd com calma. Foi aflitivo. Não tenho muito costume com a voz da Siouxsie, a voz dela é forte, meio grave. Juntando com o resto da banda (eu não sou boa em distinguir instrumentos, então não posso falar separadamente do baixo, da guitarra, da bateria) me deu muita, muita agonia.

Questão de costume. Uma hora depois e eu não queria ouvir outra coisa.

Sublinhe, não sublinhe, sublinhe

Uma coisa que eu estive pensando ontem.

Eu odiava pegar um livro na biblioteca e encontrá-lo todo sublinhado. Falta de respeito dos outros com o que não é deles. Até que um dia eu peguei O Pequeno Príncipe e li a frase "Tu te tornas responsável por aquilo que cativas". Achei lindo, sem saber que essa é a frase preferida de dez a cada dez misses, peguei um lápis e sublinhei. Tenho alma de miss.

Então eu odiava pegar um livro na biblioteca e encontrá-lo todo sublinhado. Porque eu parto do princípio de que se algo está sublinhado, esse algo é importante. Senão, alguém não teria se dado ao trabalho de sublinhar. Minhas atenções se focam no trecho sublinhado e acabo não dando atenção pro resto da obra. É assim também com as minhas xerox acadêmicas.

Se a xerox está sublinhada, eu acabo pensando que quem sublinhou foi meu professor, acabo achando que aquele trecho é importante e acabo lembrando só daquilo na hora da prova. Isso me atrapalha a estudar e a tirar minhas próprias conclusões a respeito da leitura.

Ainda odeio pegar xerox sublinhadas, mas superei meus problemas com livros literários. Chego a achar interessante. Primeiro que eu não conheço as pessoas que pegaram o livro antes de mim e nem o motivo pelo qual pegaram. Segundo que eu fico imaginando o por que de terem sublinhado tal frase, que tipo de pessoa faria aquilo. Terceiro que às vezes, o livro vem premiado não só com sublinhados, mas com frases, comentários de leitores passados.

Por exemplo. Estou lendo o primeiro livro da série Em Busca do Tempo Perdido. Um dos antigos leitores, é meio ruim de memória, então toda vez que surge o nome de algum personagem secundário, que é apenas citado na obra, ele puxa uma setinha e coloca informações acerca do personagem. Há riscos nas cores grafite, azul e roxa.

O azul risca trechos inteiros, puxa setas e faz análises nos espaços brancos. O roxo só marca trechos que gostou com asteriscos. E o grafite é fã da Fiona Apple e gosta da versão dela pra Across the Universe.

Meu dia de princesa

Muitas idéias acumuladas, preguiça e uma vida solitária farão com que hoje seja um dia lotado de posts nesse blog.

Começando com uma reclamação. Decidi fazer de hoje um 'dia de princesa'. Não que eu vá ao cabelereiro, compre roupas novas, faça as unhas, ao som de Netinho di Paula. Aliás, Netinho di Paula foi eleito vereador. Estranho, sempre que lembro dele surgem três coisas na minha cabeça: Lei Maria da Penha, pagode na Cohab no maior astral e dia de princesa.

Então, eu decidi fazer o seguinte hoje. Passar o dia todo assistindo Sailor Moon e Sabrina, a bruxa adolescente. Programas de menina. Depois vou baixar The Best of Cindy Lauper e ouvir pelo resto da noite. Meu namorado vai sofrer, mas estou com tpm, eu mando, tem que ser assim.

Enfim a reclamação. Fui baixar Sailor Moon. Tudo ia bem, até chegar no episódio 24. O título do episódio era 'Neflite morre por Molly'. Obrigada. Agora eu já sei que o Neflite vai morrer pela Molly e não vou mais precisar assistir pra saber o que vai acontecer.

Tsc, como se eu ligasse pra spoiler.

sexta-feira, outubro 03, 2008

A volta colorida dos que não foram

A notícia já é um pouco velha, mas só soube dela agora. Vão lançar no Japão, em novembro, um tamagotchi colorido.

(Fonte: Henshin)

Me espanta 1) saber que ainda existe um forte mercado de tamagotchis por lá [ok, nem me espanta muito];

2) notar que em mais de dez anos de existência e com uma tecnologia que avança mais que procriação de coelhos, só agora será lançada uma versão do bicho virtual em cores;

3) pensar que a próxima década será dominada por essas pragas, assim como aconteceu nos anos 90. Isso impulsionará um revival noventista, assim como ocorreu um revival oitentista na década presente. Imagine a volta das camisas xadrez de flanela, das boybands, da pinta da Angélica, dos tamagotchis, da dance music... Pronto, já pode entrar em pânico.

* * * *

Relembrar é viver (e, principalmente, se envergonhar). O segundo texto que escrevi pra esse blog foi justamente sobre tamagotchis.

quarta-feira, setembro 24, 2008

Envelhecer dói

Sempre que meu aniversário está próximo eu surto. É um tal de achar que todos os meus amigos me odeiam, que estão tramando pelas minhas costas, que eu engordei demais, que meus cabelos estão raleando, entre outras coisas.

Estou adiando minha chegada ao mundo adulto desde que fiz 18 anos. Desde então tenho invejado Peter Pan todos os dias, torcendo pra que o mundo pare e me deixe descer, pra que aconteça um milagre onde eu acordarei na minha cama, com quatro anos de idade, pronta pra fazer a ginástica da Xuxa.

Então você acorda, seis horas da manhã, atrasada pra ir à faculdade, sem lembrar quando se usa crase, olha pro espelho, vê que seu rosto está cheio de manchas e que você tem sardas. Em nove anos já estará usando Renew. Depois de perceber que sua mãe, de cinquenta e cinco anos, está em melhor forma física do que você. Frivolidades, frivolidades.

Daí você lembra da sua infância, quando você achava o Tom Cruise o cara vivo mais lindo da face da Terra e nota que hoje ele parece uma lésbica velha. Então isso te deixa feliz, porque não é só você que está envelhecendo mal.

* * * * *

Peço desculpas pelo post pessoal e melodramático, mas é que apesar de estar ficando velha, minha idade mental parou nos 17.

domingo, setembro 14, 2008

He-Man e os Defensores do Universo

Sempre que entro logada na home do YouTube, o site me indica três vídeos baseado no que eu andei assistindo por lá. Numa dessas me indicaram a abertura de He-man.

Quando He-man passava no Brasil, e era um grande sucesso, eu tinha uns dois ou quatro anos. Como não sou filha de elefantes, lembro de pouca coisa como, por exemplo, achar que Teela e She-ra eram a mesma pessoa.

Procurei e logo na primeira página encontrei um episódio completo. Óbvio, decidi aguçar as lembranças da infância.

Logo na abertura Príncipe Adam nos dá um resumão geral do que acontece em Eternia. Ele é um príncipe delicado e solitário, que tem como melhor amigo Pacato, um tigre wannabe. Um belo dia ele resolve erguer sua espada e gritar: - Pelos poderes de Grayskull. Então poderes lhe foram concedidos e ele se tornou He-man, o homem mais poderoso do universo. Todo esse papo de erguer a espada e gritar uma frase de efeito lembra muito um episódio contado pelos livros de história, onde Dom Pedro I ergueu a espada e gritou: - Independência ou Morte. Muitos dizem que ele não fez isso de verdade, que esse papo é só simbólico e tal. Mas já pensou se de repente ele virasse o homem mais poderoso do universo?

O tigre wannabe do Adam não passa incólume ao oba-oba de poderes. Ele cresce o suficiente pro He-man poder cavalgar nas costas dele. Fora Pacato, o que nem conta na verdade, mais três pessoas sabem que Adam e He-man são a mesma pessoa: Feiticeira, Mentor e Gorpo. O objetivo deles é defender o Castelo de Grayskull do Esqueleto, que não está sozinho e tem alguns subordinados.

O cenário é um misto de futuro apocalíptico com universo paralelo. Grayskull tem uma fachada sombria e assustadora, totalmente o contrário do cintilante e rosado Adam. O figurino é de um mal gosto tremendo para nós, mas tendência num universo paralelo brega.

Bom, tudo isso que eu disse acima as pessoas já estão carecas e cansadas de saber. E nem me adianta usar a desculpa de que eu queria divulgar o desenho para as novas gerações. As novas gerações não gostam de quase nada que não venha do Japão. Veja bem, não estou querendo desmerecer os fãs de animes. Eu sou fã de anime. Foi só uma constatação.

Se alguém sentir saudades e quiser conferir o episódio O Cometa Cósmico, corra pro YouTube e confira diálogos intensos, como: "- Quem é Zagraz? - Ele é o mago da montanha de Zagraz." Em seguida, corra pra ler esse texto da Flá Wonka, ao som de Trem da Alegria.

domingo, setembro 07, 2008

Junior Lima, rockstar.... NOT!

Que o rock nacional se afundou faz tempo não há dúvidas. E agora pra jogar a última pá de terra no caixão, Junior Lima e amiguinhos resolveram formar uma banda de rock chamada Nove Mil Anjos.

Quem são os amiguinhos? O baixista é ex-Charlie Brown Jr., o guitarrista é ex-Pitty, o bateirista é ex-Sandy e o vocalista não é ex de ninguém (que eu saiba). Pra se apresentar pro público e mostrar como eles são descolados e antenados, a banda gravou esse vídeo vanguardista:




O que eu acho? 9.000 Anjos não valem 10.000 Maníacos.

Fonte: Resumo do Dia

terça-feira, setembro 02, 2008

Por que organizar é tão difícil?

No quesito organização, sou a filha que toda mãe odiaria ter. É quase patólogico: não consigo colocar nada do que tiro no lugar onde estava. Sei que não sou exceção.

Meu computador não passa incólume. Os arquivos da pasta "Meus Documentos" gritam por socorro e imploram por um lar. Felizmente só uso o computador pra diversão, não pra trabalho. Estaria ferrada.

Em tempos corridos, onde as informações avançam a uns 325 mbps, ser assim só atrapalha. Se tem coisas que gosto mesmo são filmes, séries, livros, quadrinhos (incluíndo mangás, graphic novels, tirinhas), jogos e outros (outros significa que não consegui lembrar do que gosto).

Sem administrar melhor o meu tempo não consigo me dedicar a nenhuma dessas coisas que gosto. É mais ou menos o que acontece: quero fazer tudo de uma vez e no final sai tudo pela metade. Daí a total identificação com aquela música do Kid Abelha: "Eu sei de quase tudo um pouco/e quase tudo mal/ Eu tenho pressa e tanta coisa me interessa/ mas nada tanto assim".

Sei que pra cada dez arquivos organizados, vou baixar cinquenta e colocar fora do lugar. Sei que um dia meu HD não aguentará mais e se suicidará ao som de Cancer, do My Chemical Romance. Sei que a Monica, de Friends, não vai baixar em mim se eu desejar muito. Uma pena.

quarta-feira, agosto 27, 2008

Estúdio Coca-Cola

Meses se passaram desde a primeira vez que escrevi sobre o Estúdio Coca-Cola. Nesse pouco mais de um ano, tivemos várias misturas musicais de cantores/bandas da moda de um estilo se encontrando com cantores/bandas da moda de outro estilo.

Resolvi, num esforço imenso, quase sacrificante, analisar o que já rolou por lá.

Lenine e D2




Lenine: Zzzzzzz.... sono....
O que eu conheço de Lenine limita-se a música Paciência, que eu só conheço porque foi tema da Maitê Proença em uma novela. MPB não me comove.
D2: Zzzzzz.... preguiça....
O que eu conheço de D2 limita-se a saber que ele era vocalista do Planet Hemp e que um monte de gente ouvia as músicas dele só porque ele usava maconha. Essas pessoas não deviam conhecer a existência do reggae... Claro que eu já ouvi uma música ou outra dele, afinal eu não estive em Marte nos últimos cinco anos. (Infelizmente).
Mistura: Olha, nada contra rap, ou hip-hop, sei lá o estilo do D2, mas essas rimas no começo da música não fazem meu estilo, não gostei. Outra, esse papo de "batida perfeita" já tá batido. Então chega o Lenine com toda aquela Paciência que dá sono. Acabou a música e eu estava deprimida!

Pitty e Negra Li




Pitty: As letras pseudo-intelectual-filosóficas dela não me agradam, assim como a voz levemente esganiçada. Não rola química entre nós. Mas já gostei dela, lá pros meus dezesseis anos. Durou três músicas.
Negra Li: Ela é linda e tem uma voz igualmente linda. Não conheço muito o som que ela faz, mas até gosto de uma musiquinha que ouvi.
Mistura: Eu gosto de "Você vai estar na minha", acho alegre (depois de ouvir o Lenine cantando Paciência até Radiohead fica alegre). Só que aguentar a Pitty forçando uma voz de rapper me deixou com vergonha. Tava tudo indo bem, mas óbvio que ela tinha que baleiar. Ok, agora a presença de palco da Pitty tá me dando vergonhar. Semata!

Nando Reis e Cachorro Grande



Nando Reis: Acho bonito, mesmo tendo cara de alien. Gostava quando ele tocava nOs Titãs e parecia mais ainda um alien. Gosto das composições dele, mas não dá pra comparar ele cantando as próprias músicas com a Cássia Eller cantando as músicas dele, por exemplo.
Cachorro Grande: Ouvi uma vez, num videoclipe. Não gostei do visual, não gostei da música. Mas como não lembro de nada, nada, não posso julgar. Pena.
Mistura: Acho "Por onde andei" bonitinha. Tá longe de ser a melhor música do mundo, mas é legalzinha. Hm, essa música é suave... a voz do vocalista do Cachorro Grande tá estuprando a música! Estuprou a música, ela engravidou e perdeu o filho porque rolou da escada.

To be continued...

segunda-feira, agosto 25, 2008

Rir tá cada vez mais difícil

Saudosa a época em que eu achava A Praça É Nossa a coisa mais engraçada do mundo, gravava pra ver depois e assistia até o VHS arrebentar. Hoje não dá pra rir das mesmas piadas de vinte anos atrás.

Sem querer entrar no lance do "antigamente é que era bom", que parece papo de tia velha fã do Jerry Adriani, mas ou antigamente eu ria de umas coisas bem idiotas e fui ficando seletiva com o tempo ou as coisas eram mais engraçadas mesmo.

Quero acreditar que eu fiquei seletiva.

sábado, agosto 23, 2008

A invejável arte de engolir comprimidos

Eu sou semi-hipocondríaca. Pesquiso sobre doenças no Google, receio ter um convulsão sempre que assisto House e nunca tomo um remédio sem antes ler as contra-indicações e os efeitos colaterais.

Embora eu fique doente de verdade várias vezes ao ano, a ponto de achar que tenho AIDS pra ser tão doente assim, ainda não aprendi a engolir comprimidos.

Não adianta usar de subterfúgios como enrolar o comprimido no pão, ou jogar ele garganta abaixo e engolir muita água com a cabeça inclinada, ou derreter (o gosto é horrível), ou misturar na comida (o gosto continua horrível e faz a comida ficar horrível).

[Monique, não leia esse parágrafo!]
Então eu peço uma injeção. Eu não ligo de ser furada. Acho que fui viciada em heroína, numa outra vida. Nem acho ruim a sensação da agulha enfiando na pele e do remédio rasgando os músculos, ou veia (dependendo do remédio).
[Monique, pode voltar a ler!]

Já por alguns comprimidos adquiri certa simpatia. É o caso do Doril, da Aspirina, do ácido acetilsalicílico genérico, que eu tomo pra dor de cabeça. Geralmente umas quatro vezes por semana. E o Histamin, que eu tomo pra alergia. Eu consigo mantê-los na boca até que derretam. E engulo.

Concluindo, eu tenho inveja de quem consegue engolir comprimidos. Tenho medo de cápsulas. Não quero mudar, porque sou cabeça dura. Injeção é uma das melhores invenções mundiais. Todos os comprimidos deveriam ter gosto de AAS infantil.

quinta-feira, agosto 21, 2008

Zé da Esquina

Hoje foi o primeiro dia em que vi o horário eleitoral gratuito - etapa vereadores. Já tenho o meu candidato mais ou menos definido, mas gosto de assistir pra ver as bizarrices que aparecem na telinha.

Um fator corriqueiro que percebi foi a intimidade que alguns candidatos tentam criar para atrair a empatia dos eleitores. Fica aquela coisa bem cidade do interior em que todo mundo só é alguém se estiver relacionado um lugar ou outro alguém. Por exemplo, sempre há o Tião da Mirtes, ou a Regina do Pedro, ou o Lucas da Padaria.

Vi muitos Fulanildo do Mercadinho, Sicranaldo do Gás, Espafregino da Sauna, entre outros. Estou sentido falta de uns tipos mais excêntricos.

terça-feira, agosto 19, 2008

Girls

Eu tinha pensado em tanta coisa pra postar hoje, mas fiquei deprimida e assim não consigo desenvolver nenhum assunto. Vou deixar vocês com uma playlist que fala sobre garotas.

1. Girl - Tori Amos
Só conheci essa música hoje e foi ela que me levou a esse post. Tem umas partes meio chatas, mas quando a Tori canta ` she's been everybody else's girl, maybe one day she'll be her own ´, eu quase choro.

2. Big Girl (You Are Beautiful) - Mika
O clima dessa é o oposto da anterior. Essa música é muito pra cima e tem uma letra bem gostosa. Se eu fosse gordinha estaria me achando o máximo. Só que acho que faltaram umas gordinhas de verdade no clipe.

3. Some Girls Are Bigger Than Others - The Smiths
O sentido de 'big' aqui não é o mesmo da anterior. Ou é, vai saber a forma como cada um vai interpretar a letra. Acontece que o Moz (que intimidade ¬¬) era um puta compositor e ele me faz sentir especial quando escuto essa, mesmo que o efeito dure só o tempo da música.

4. Girl, You'll Be a Woman Soon - Urge Overkill
A música é do Neil Diamond, mas eu prefiro a versão do Urge. Não que eu desgoste da versão do Neil. Quando ouço tenho vontade de ser a Uma Thurman. Ela consegue ficar bem num corte chanel.

5. Material Girl - Madonna
Era tão legal quando a Madonna era meio vadia e tinha essa voz estridente. Eu sou uma garota materialista! A Gisele Madonninha também é.

6. My Girl - The Temptations
Essa música me deixa triste, porque toca no filme de 'Meu Primeiro Amor'. E me deixa com inveja da garota do título. E apesar de toda essa negatividade, adoro.

7. Beautiful Girl - INXS
Sempre que ouço sinto que tem uma tiazona enchalhada que mora dentro de mim.

8. Kiss the Girl - Sebastião, da Pequena Sereia
É quase a melhor música do filme (perde pra Under the Sea). E entre uma batida e outra a gente se pega torcendo pro carinha beijar logo a Ariel.

9. Girls Just Wanna Have Fun - Cindy Lauper
Já estava esquecendo desse hino cantado pela Cindy.

10. You're Gonna Kill That Girl - Ramones
Eu gosto dessa música. Sempre que eu conheço uma garota insuportável gosto de imaginá-la na mesma situação que a da música. :B

Ficou uma lista meio bipolar.

domingo, agosto 17, 2008

Quando a Turma da Mônica encontrou o cogumelo da Alice (ou quase isso)

Todo mundo já sabe que o Maurício de Souza resolveu esticar a Turma da Mônica e agora todos eles parecem adolescentes saídos do Múltipla Escolha.

Sempre pensei na possibilidade de uma dia ver a Turma mais velha, mas desde que fosse num número especial, estilo "What If...", e não com um número próprio. Até porque existe a Turma da Tina para o público jovem.

Pensei em dar uma chance, afinal o MS já me fez tão feliz. (Até já recebi carta do Cebolinha. Longa história). Entrei no site oficial do projeto. Após um longo discurso justificando esse novo projeto, ele fode tudo com esse final:

com o tempo, pretendemos abordar questões pertinentes à adolescência, como namoros, sexo e até drogas. Mas de uma maneira muito bem estudada. Como se fosse de pai para filho.
Já viu adolescente ouvindo pai e mãe? Eu sou a prova viva de como uma criança fofinha e inteligente, vira uma adolescente estúpida e no fim uma adulta psicologicamente perturbada. Eu considero a adolescência a pior fase da vida de uma pessoa.

Sabe a Mônica-baixinha-gorducha-dentuça? Ela cresce, fica gostosona, um pouco dentuça, é verdade, mas esse vai ser o charme dela. Bye, bye, vestidos vermelhos. Agora parece saída do catálogo de moda da Capricho.

Como seria minha Mônica: Ela continuaria baixinha e gordinha depois de grande. Não acharia roupas que coubessem, obrigando-a a continuar usando os horrorosos vestidos vermelhos. Se sentiria mal e excluída por causa do peso. Tentaria milhões de dietas diferentes, sem sucesso, tornando-se bulímica. No final conseguiria um peso saudável através de alimentação balanceada e exercício. Sofreria um acidente onde perderia os dois dentes da frente. Mas escolheria no final, implatar dentes como os perdidos, pois sente falta dos dentões.

Sabe a Magali-gulosa? Agora só come alimentos saudáveis, malha e é super preocupada com o corpo. Estilão rata de academia. (Sempre achei que a Magali era a verdadeira Mulher Melancia).

Como seria minha Magali: Ela não abriria mão fácil de toda aquela comida que engorda e faz mal. Mas ela não quer engordar, então faz sacrifícios pelo corpo. Sonharia com comida, viria as pessoas em formato de comida. Ela representaria o culto ao corpo, quase no estilo que vai ser representada mesmo. Exageraria nos exercícios, comeria escondida e tomaria remédios pra emagrecer.

Sabe o Cebolinha-com-cinco-fios-de-cabelo-que-queria-ser-o-dono-da-rua? Agora quer ser chamado de Cebola.Usou shampoos WS, deu adeus aos cinco fios, mas ostenta o mesmo penteado. Fez tratamento com a fono e parou de trocar erre por ele, exceto quando está nervoso. Agora quer conquistar o mundo, pretensão pouca é bobagem. Um cara que nem conseguiu conquistar a rua.

Como seria meu Cebolinha: Completamente careca. Aproveitaria o visual e se dedicaria à natação. Continuaria trocando as letras, o que provocaria mal entendidos com as garotas. Seria um loser completo.

Sabe o Cascão-que-não-gosta-de-tomar-banho? Agora toma banho, às vezes. Sério, tomar banho às vezes até eu que odeio tomar banho tomo. E virou um viciado em esportes radicais. Não mudou muito.

Como seria meu Cascão: Não tomaria banho, nunca. Imagina o que o mal cheiro acumulado causaria nas relações sociais do garoto e no possível relacionamento com garotas. Seria um pária social.

Exagerei.

sexta-feira, agosto 15, 2008

Gêmea boa e gêmea má

Tive idéia pra esse post depois de ver que alguém caiu no meu blog pesquisando sobre o tema no Google. Botei a mão na cabeça, figurativamente, e pensei: só não existe gêmea má em filme das Olsen Twins e da Disney.

Abrindo o leque pras telenovelas. Mulheres de Areia, um clássico. Rutinha é boa, Raquel é má. A Usurpadora, outro clássico. Paola e Paulina. Teve outra com a Alessandra Negrini, que passou a pouco tempo.

Não é só porque duas pessoas compartilharam um útero que uma delas deve criar planos de crueldade acentuada contra a outra. E se for pra se malvada se arrepender no fim da vida, era melhor nem ter sido má no começo. Não tem nada pior do que vilão arrependido.

BÔNUS: um texto da Luciana do Rócio sobre Paola e Paulina e uma pergunta no YR.

quarta-feira, agosto 13, 2008

Levantou poeira

Em pleno clima olímpico, meu sistema respiratório luta pela vitória contra o ar devastado por partículas voadoras de terra.

Caso o tempo não mude, terei que procurar algo como "Dança da Chuva for Dummies" pra tentar resolver meu problema.

Nunca é bom quando você se sente no meio de uma música da Ivete Sangalo.

segunda-feira, agosto 11, 2008

O dia em que a Terra parou

Gmail há uma hora sem funcionar. Imagina se isso acontecesse com o msn, por exemplo, a quantidade de adolescentes se matando neste minuto. Como o Gmail é um e-mail mais, digamos, sério, as pessoas estão apenas se descabelando pelo transtorno. Fica aqui minha solidariedade, companheiros. Só não estou junto, nessa luta, xingando até a quinta geração do Paul Buchheit, porque não preciso acessar o Gmail agora.

Fica aqui minha homenagem a esse serviço de e-mails, lindo, que eu acesso umas dez vezes por hora. Onde eu converso com meus amigos no GEC (Grande E-mail Coletivo), onde recebo atualizações dos grupos que participo (#clubedoe-livro e #blogyn), onde recebo newsletters que não leio, onde armazeno informações importantes sobre minha pessoa, onde as pessoas podem entrar em contato comigo, onde leio os comentários do meu blog, onde eu converso com o meu namorado usando o sistema de bate-papo...

Ok, estou começando a me descabelar também.


sábado, agosto 09, 2008

Desopila, ô, desopila* (1)

*título a ser cantando no ritmo de Adocida, do Beto Barbosa

Desde que aprendi (ou acho que aprendi) o significado da palavra desopilar, não paro mais de usá-la. Ainda mais agora com o final das férias, vou precisar de muitos artigos desopilantes pra sobreviver mais um semestre.

Na área literária, por exemplo. Já comecei a ler As Crônicas de Spiderwick. É caro, mas os e-books existem pra salvar os pobres de bolso como eu. As Crônicas consiste em uma série de cinco livros, criados por Holly Black e Tony DiTerlizzi. A história é muito parecida com muitas que tem por aí, em livros de estilo semelhante. O diferencial desse livro fica por conta das ilustrações, que às vezes tomam uma página inteira e fazem com que a leitura fique mais rápida.

Quadrinhos também são uma boa opção. Ontem comprei mais um livro da coleção do Snoopy, lançada pela L&PM. Adoro a Sally Brown. Adoro todos, mas ela é especial. E mangás. Eu prefiro shoujo (e josei). Nessas férias eu me afundei nos shoujo mangás, usei e abusei dos fansubs. Ontem comprei o segundo volume de Ouran Host Club. O anime é um dos mais engraçados que eu já vi e o mangá consegue ser melhor que o anime!

Fico devendo a desopilação musical.

quinta-feira, agosto 07, 2008

Personality Desorder Test

Lá tava eu, naquela missão impossível de ler uns 520 feeds acumulados até antes das férias acabarem. Tá, depois de muito notícia velha e repetida, vários posts diversos [hein?] sobre a morte da Dercy e tal, cheguei no eudi. No eudi, entre outras coisas, tinha link prum Personality Desorder Test. Assim, que eu não posso ver as palavras 'test' e 'personality' juntas que coço os dedos pra clicar e fazer.

Olha o resultado:

DisorderRating
Paranoid:Very High
Schizoid:Very High
Schizotypal:Very High
Antisocial:High
Borderline:Very High
Histrionic:High
Narcissistic:Very High
Avoidant:High
Dependent:High
Obsessive-Compulsive:High

-- Personality Disorder Test --
-- Personality Disorder Information --


Eu já esperava algo do tipo, mas eu não esperava que SÓ desse high e very high nos meus resultados. Lincença que eu vou ali cantar com a Simony. :B

terça-feira, agosto 05, 2008

Evolução

Adoro o processo evolutivo das coisas.

Primeiro, você tem xis. Xis é usado a exaustão. Xis está em todos os lugares. Xis é pop. Xis é o zeitgeist. Um dia alguém cansa do Xis. E esse alguém dá ao mundo o anti-xis.

No começo todos vão olhar o anti-xis com o pé atrás. Então, é questão de um piscar de olhos pro anti-xis estar em todos os lugares. O anti-xis ser pop. O anti-xis ser o zeitgeist. Um dia alguém cansa do anti-xis. E esse alguém dá ao mundo o ipsilon.

O ipsilon nada mais é que uma releitura do xis. No começo todos vão olhar o ipsilon com o pé atrás. Então, é questão de um bater de palmas pro ipsilon estar em todos os lugares. O ipsilon ser pop. O ipsilon ser o zeitgeist. Um dia alguém cansa do ipsilon. E esse alguém dá ao mundo o anti-ipsilon.

E em um lugar quietinho e isolado, alguém que não está satisfeito com xises e ipsilones, e seus contrários, criará o alfa. O número de pessoas que prestará atenção no alfa será menor do que o número de brasileiros que já escalaram o Everest. Alfa não estará em todos os lugares. Alfa não será pop. Alfa não será o zeitgeist. Um dia o alfa acaba, tão rápido quanto surgiu.

* * *

Notas

Eu não sabia que se escrevia ipsilon. Sempre achei que era ipsolon.

Não sei direito o que é esse tal de zeitgeist. Eu acho que sei, mas não tenho certeza. De qualquer forma é uma palavra bonita.

quarta-feira, julho 16, 2008

Nooooooooooo!

Hoje ao abrir o orkut (by the way, se alguém quiser me adicionar o perfil é esse), dei de cara com isso:

Sorte do dia totalmente tendenciosa.

Como eu não sou uma grande frequentadora desse site de relacionamentos, não sei a quanto tempo esse elefante feio tá aí. Mas não é sobre isso que eu vim falar.

Se antigamente as pessoas já faziam atrocidades em seus perfis com aqueles desenhos em ascii, imagine agora com essa nova ferramenta. Será um modo de testar até onde vai o mal gosto das pessoas. E aumentar o desejo pelo fim da inclusão digital.

Um mini top 5 de aplicativos a temer:

1 - OyO músicas
"TOQUE SUAS MÚSICAS PREFERIDAS EM SEU PERFIL! "

Isso é o fim da prática de procurar perfil de adolescente no orkut pra rir. Porque não vai ter a mínima graça abrir um perfil que toca Nx Zero e Fresno. É o fim de uma das minhas atividades preferidas.

2 - Classificar meus amigos
"
"Classificar meus amigos" permite que você e os visitantes do seu perfil classifiquem seus amigos em categorias como "Qual é o sorriso mais bonito", "Quem é mais fofo?" e "Quem é o mais bem vestido?""

Que recurso mais útil, caramba! Não sei como eu sobrevivi até hoje sem poder classificar meus amigos. Agora vou ter que varar noites pensando quem é mais fofo e quem é que amassa melhor uma latinha com os peitos.

3 - Emote!
Nós temos uma lista crescente de emoções para mostrar como você está se sentindo.

Eu sou conservadora, acho que os emoticons poderiam ter parado naquelas carinhas de irc, ao invés de terem evoluído praquelas carinhas amarelas do messenger. Respeito as carinhas amarelas do messenger, no entanto. Mas carinhas que brilham, mexem, falam, dançam, soletram não dá!

4 - TAG amigos
Que tal dar uma palavra de testemunho para seus amigos?

Depoimentos reduzidos a uma palavra? Inovador. Agora olha a figura que ilustra o aplicativo: doce, geek, Brasil, Bruno, hot!! O objetivo do aplicativo é "criar uma perfeita descrição da personalidade de seu amigo". Brasil e Bruno são realmente ótimos adjetivos que classificam a personalidade de qualquer pessoa.

5 - BuboMe
Enfeite suas fotos acrescentando centenas de temas e bolhas. Torne-se a celebridade ou super-herói que você sempre quis ser.

Isso é o máximo! As fotos com efeitos especiais produzidas em photoshops genéricos não se sentirão mais sozinhas.

Bônus - Eu acho
Com a aplicação 'Eu acho', escrevemos nossas opiniões, votamos e comentamos e discutimos as idéias de outras pessoas.

Tem mais o que dizer além de "isso vai dar merda?". As pessoas ainda não sabem discutir na internet e mais da metade não sabe expor sua opinião de forma coerente.

Fim.
(e eu não passei da primeira página)

segunda-feira, julho 07, 2008

Fuja das montanhas!

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante, onde os homens faziam suas próprias leis e dava pra comprar uma coxinha grande na feira por cinquenta centavos, todo sábado a tarde o Sílvio Santos aparecia trazendo o Show de Calouros.

Jurados bizarros a parte, era uma constante no programa a ida de transformistas com suas roupas purpurinadas e transparentes. E dessas (desses?) transformistas 3 a cada 5 se apresentava ao som de Wuthering Heights, da Kate Bush. Logo, essa música ficou gravada na minha cabeça como "música de transformista", assim como Theme from Dying Young, do Kenny G como "música de motel" e Conquest of Paradise, do Vangelis, como "música de formatura".

Até hoje, eu nunca tinha ligado de prestar atenção na letra e no clipe de WH, mesmo já tendo visto uma versão do Mion pro clipe. Kate Bush me fez sentir.



Começando pela letra. Eu senti um pouco de vergonha alheia, pela Kate e até pelo Heathcliff. Ainda fico imaginando a reação que ele teria ao ouvir que ele é "too hot, too greedy", acompanhado daquela dancinha significativa. "Bad dreams in the night" é o que eu vou ter depois de ter visto o clipe tantas vezes pra fazer esse post. E finalmente o refrão marcante:

"Heathcliff, it's me, your Cathy, I've come home. I'm so cold,
let me in-a-your window"
Heathcliff, me escuta, tranca essa janela! Tranca bem!

O clipe. Ah, o clipe. Aquele visual minimalista. Kate, o gelo seco e as luzes. Efeitos visuais a parte. Vai, mulher, mostra tudo o que você aprendeu no balé!

segunda-feira, junho 23, 2008

Acabei de pensar num super enredo pra um best-seller que vai vender milhões, ser adaptado pra filme, aparecer nas listas dos mais vendidos de ficção e me lançar para o mundo. Segue só.

Uma história épica, sobre um amor proibido entre uma mulher e um canibal. O canibal luta pelo desejo incessante de comê-la, no sentido gastronômico. Ela, comovida com a luta interna de seu parceiro, luta pelo desejo incessante de deixar-se ser comida, no sentido gastronômico. Ele, inconscientemente, entope-a de comida. Ela, não tão inconscientemente, começa a engordar; torna-se bulímica as escondidas. Ele, apesar de seu amor, com a sensação de estar enchendo um saco furado, começa a se irritar com a nova forma física de sua "fofuxa". Ela conhece um misterioso jovem vegetariano, cujo passado se entrelaça intíma e misteriosamente com o canibal. Quem será o jovem vegetariano misterioso? Qual será a reação do canibal ao descobrir a bulimia de sua amada? O amor superará o desejo estomacal? Acompanhe essa fascinante história sobre a luta da luxúria contra a gula.

Fora isso pensei numa história polêmica, mas tão polêmica que se eu colocasse o enredo aqui seria perseguida por todos os grupos minoritários anti-preconceito, o blogger me retiraria do ar, e eu receberia ameaças de morte via e-mail.

domingo, junho 22, 2008

Confessions of a post-teenage drama queen

Domingo passado eu vi que ia passar na segunda-feira (passada) Confessions of a Teenage Drama Queen, na Sessão da Tarde. Como eu tenho uma ligação muito forte com a expressão 'drama queen' e uma ligação inexplicável com os filmes da Lindsay Lohan, até fiz cadastro no Remember the Milk pra não esquecer do filme.

1º parêntese: Parece exagero, mas eu sou mesmo muito esquecida. Eu sempre esqueço de devolver os livros da biblioteca, os filmes da locadora, esqueço blusas de frio nos lugares onde vou, não consigo decorar números de telefone e se anoto, esqueço onde anotei. Resumindo, se eu fosse depender só da minha memória estaria ferrada.

Segunda-feira fui lá, na maior boa vontade, assistir ao filme. Não podia ser ruim, eu gostei de Mean Girls e Freaky Friday. Mas era. Um dos piores filmes teens de todos os tempos, senão o pior. Figurino: horrível. Atuação: nem sei comentar. Enredo: fraco. Nem a cena musical me prendeu.

2º parêntese: Se qualquer filme, por mais horrível que seja, tiver uma cena musical, já consegue me prender e ganhar pelo menos dois pontos comigo.


Essa semana o Remember the Milk, vai me lembrar de assistir Bogus, meu amigo secreto, que era meu sonho dourado de infância assistir e nunca consegui. Terça-feira, na Sessão da Tarde. E ontem eu perdi Afinado no Amor, merda. E Buffy, a caça-vampiros, de 92. Da época em que o Luke Perry era lindo. Merda.

Com as férias chegando, embora antes tenha que passar pela semana da tormenta, já começo a fazer a lista de "tudo o que eu preciso ver/ler/ouvir durante as férias". Aceito sugestões.

Hoje no banho, tive uma idéia sensacional. Uma forma de nunca mais ter meus olhos incomodados pela espuma do shampoo. Tomar banho usando aqueles óculos de natação. Quinze segundos depois, me dei conta que não ia dar pra lavar direito o cabelo com o elástico que o segura, grudado no meu cabelo. Minha maior frustração desde que eu descobri que não fui a primeira pessoa a notar que a Amy Winehouse era igualzinha a Janice, de Friends.

segunda-feira, junho 16, 2008

Hero e outras coisas

- Se cada vez que um calouro do Raul Gil cantasse Hero, da Mariah Carey, eu ganhasse um dólar, eu já estaria dando entrada na minha casa própria.

- Falando em Hero, tenho visto pedaços de Os Mutantes - Caminhos do Coração, mas estou com preguiça de atualizar meu blog sobre novelas. E a Record anda pegando tão mal aqui que tá difícil distinguir um borrão da Mulher Sereia.

- Falando sobre Os Mutantes, eu tenho sonhado muito com pessoas que têm poderes, no nível da novela. Como os meus sonhos têm baixo orçamento, chega a ficar mais tosco. Preguiça de atualizar meu blog de sonhos.

- Eu já tô cansada do twitter, pela segunda vez. Talvez seja as pessoas que eu sigo, não sei. Mas não é raro eu me sentir no bate-papo da uol, ou saber a fundo a rotina de uma pessoa, incluindo o que ela comeu e quantas vezes foi ao banheiro.

- Também estou cansada de ler blogs e cansada de pessoas que só falam sobre blogs. Eu gosto de ler coisas engraçadas e não coisas de pessoas que se acham engraçadas. E eu não gosto daquele humor Kibe Loco, que qualquer imbecil olha e acha graça. Eu gosto de um humor mais inteligente. Mas não muito inteligente que daí eu não entendo. Eu gosto de um humor meio termo.

segunda-feira, junho 09, 2008

Atualizando - parte I

Nem faz tanto tempo que eu não atualizo.

Cantinho miguxo

Querido diário, no tempo em que fiquei sem postar no blog, mamãe teve dengue. Já está melhor. Meu namorado teve dengue hemorrágica. Já está melhor. Papai teve dengue psicológica. Foi o que melhorou mais rápido. E quando você se sente no mundo bizarro por ser a única a não estar doente, é hora de repensar a sua vida. Claro que eu não vou fazer isso.

Querido diário, a faculdade está cansativa. Embora eu não assista a todas as aulas que eu deveria assistir, minhas notas estão ótimas. Eu tirei o meu primeiro 10 desde 2004. Essa semana, com o perdão da licença poética de Tati Quebra-Barraco, "tô ficando atoladinha" de trabalhos. E vai ser assim até o final do mês.

Querido diário, o dia dos namorados está chegando. Ontem eu e meu namorado fomos comprar nossos presentes. Juntos. Pra ninguém dar mancada. Pra eu me certificar que não vou ganhar nenhum almanaque novamente. O conteúdo é assunto pra outro post.

=P

domingo, maio 25, 2008

shipping #2: Dwangela

oi, contém spoilers.



Quando comecei a assistir The Office não dava nada pela série. Assisti a primeira temporada num ritmo arrastado e só comecei a ver a segunda porque já tinha baixado alguns episódios. Daí tudo mudou no segundo episódio, aquele do "Ryan started the fire". O episódio anterior também tinha sido bom, mas esse serviu pra confirmar que eu queria continuar assistindo aquilo!

Nesse mesmo episódio do fogo foi que comecei a gostar do Dwight. Até então eu o via como "o cara chato do escritório". Nessa mesma temporada começou o envolvimento dele com Angela, a contadora. Dessa eu nunca gostei muito. No começo era um poço de religiosidade, mas no desenrolar da série demonstrou ser fria, metódica e mal humorada. Os dois juntos deram tão certo que comecei a achá-los melhores do que Jim e Pam, o principal casal da série.

Na terceira temporada eles terminam, pois Dwight comete eutanásia no gato moribundo de Angela, Sprinkles, e coloca o corpo no freezer. Ela então começa a namorar Andy e eles ficam noivos no season finale da quarta temporada. Porém, depois da última cena exibida, ainda queima a esperança. Espero que a próxima temporada tenha Dwangela de volta.

quinta-feira, maio 22, 2008

shipping #01: Beniel

Essa semana eu vou fazer uma coisa diferente, nhénhénhém e mulherzinha. Vou falar dos meus shippings preferidos. Shipper de acordo com o Urban Dictionary é

a person wants two characters to get together and/or shows support for two characters already together.
Esta sou eu.

O primeiro fanship escolhido por mim vem de Ugly Betty. Pra quem, assim como eu, está terminando de assistir a segunda temporada de UB, sabe que a mesma oscila ora pelo Henry e um pouco pelo Gio. Eu queria mesmo que ela ficasse com o Daniel.

Não vi Betty, a Feia, original, versão colombiana, só A Feia Mais Bela. E lá a Lety era apaixonada pelo Seu Fernando. Como sou apegada as raízes, desde o episódio piloto eu acho que a Betty deveria ficar com o chefe. Logo Betty + Daniel = Beniel.

domingo, maio 18, 2008

A Garota do Blog

Estava lendo o Resumo do Dia, o site que me deixa a par do que está acontecendo na tv aberta - uma vez que não vejo tv, quando me deparei com a notícia de que Gossip Girl vai estreiar em julho no SBT. Tá, nenhuma novidade, já que o SBT adora exibir séries teens, vide The O.C.

Interessante foi o título que escolheram: A Garota do Blog. Eu estava esperando algo mais SBT, uma tradução literal, um Garota Fofoca, no mínimo. Daí lembrei que Gilmore Girls virou Tal Mãe, Tal Filha e Notes from the Underbelly, Regrinhas para Jovens Pais.

Fato

Nenhuma música com a palavra 'tatuagem' na letra presta.

sexta-feira, maio 09, 2008

#no telefone

ou videogame - aquele comedor de cérebros.

*insira aqui quinze minutos de conversa ao telefone com o namorado*
- Já vou, Mymi.
- Também, preciso matar uns zumbis.
- Eu vou invadir a China.
- Beijo, tchau.

Agora adivinhem o que cada um está jogando. =P

Incrível como mesmo sabendo que poderíamos gastar nosso tempo com coisas utéis, como estudar, tirar a sobrancelha ou ler os dois capítulos atrasados de Artemis Fowl e A Sociedade do Anel, o ícone do emulador suga a setinha do mouse e se auto clica duas vezes, abrindo-o contra a nossa vontade.

Minha cabeça estava cheia de idéias boas, para textos idem. Porém, o videogame comeu meu cérebro. Agora vou passar as noites de quinta assistindo A Praça É Nossa e pensando que não há homem mais engraçado no mundo do que Carlos Alberto de Nóbrega.

segunda-feira, abril 28, 2008

Twitches

Eu assisti um filme bem tosco na Sessão da Tarde, Twitches, um trocadilho besta de twins + witches.

Por um lado foi interessante saber que existe vida gêmea além das Olsen. Por outro lado...

A história é assim: duas gêmeas de outra dimensão foram separadas no dia do nascimento, porque o reino delas estava sendo atacado. O pai usou seus últimos poderes pra salvá-los e dois empregados as levaram para nossa dimensão, onde foram separadas e adotadas. Vinte e um anos depois elas se reencontram.

Daí elas se reencontram e é assim, bem simples. Uma olha pra outra e diz:
- Aaaah, nós somos idênticas. Acho que somos irmãs gêmeas.

Ok, daí elas pegam na mão uma da outra e descobrem que tem poderes mágicos! E não é só isso. Elas são perseguidas por uma fumaça preta, que seria igual a do Lost se não fosse o fato daquela ter umas nuances vermelhas. O nome da fumaça preta e vermelha é Trevas.

No meio do filme as gêmeas brigam porque uma quer voltar pra dimensão natal e salvar o mundo e a mamãe e a outra quer deixar as coisas como estão e voltar pros pais adotivos. Daí elas decidem voltar e salvar o mundo. Graças a um desenho que a gêmea fútil fez elas descobrem que quem comandava as trevas era o marido da mãe, que era irmão do pai falecido delas.

Por fim, elas juntam as mãos e vão lutar contra as trevas. Daí segue um diálogo mais ou menos assim:
- Pense na luz.
- Não, devemos pensar no amor. O contrário de Trevas é Amor. Pense no Amor!
- Claro, o Amor. Vamos pensar no Amor.

Gente, mudou minha visão de mundo esse filme! O contrário de trevas é amor. Viva o amor! É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, na verdade não há! Agora com licença que eu vou sair na rua e abraçar uns estranhos.

quarta-feira, abril 23, 2008

Time after time

Uma das coisas que eu aprendi- A única coisa que eu aprendi numa dessas aulas sobre Fundamentos de Biblioteconomia, foi que um indiano chamado Ranganathan fez cinco leis. E uma dessas leis, a única que eu aprendi, era pra economizar o tempo do leitor. Algo que eu não estou fazendo aqui, by the way.

Me veio a cabeça aquele velho ditado: casa de ferreiro, espeto de pau. Porque eu mal tenho tempo de organizar as minhas coisas. Mentira. Eu tenho muito tempo de sobra, mas não sei o que fazer com ele. Então, eu passo o dia todo jogando videogame, enquanto penso que deveria estar estudando ou lendo um livro que peguei na biblioteca. Putz, eu adoro ler. Mas jogar videogame é muito legal.

Já tentei dividir o meu dia em blocos de meia hora, onde em cada bloco eu faria algo que precisasse/quisesse. Não deu certo. Já usei um gadget no iGoogle, uma espécie de agenda, pra colocar as atividades que eu precisava desempenhar naquele dia. Não deu certo. Eu comprei uma agenda e disse que ia escrever nela todos os dias. A última vez que a abri foi em 14 de fevereiro. Sério, se a gente não tem força de vontade não cumpre horários.

Ui, força de vontade é papo de tia velha.
Perdi a linha de raciocínio, droga.

sexta-feira, abril 18, 2008

Trama

As pessoas têm fases e as coisas têm fases. Não sei se em coisas eu poderia incluir sites, mas estou incluíndo assim mesmo.

Eu tive uma fase de baixar músicas no Trama Virtual. Se davam um polegar pra cima pra uma banda eu ia correndo lá e baixava. Foi assim que conheci bandas e cantores como Sweet Cherry Fury (na formação antiga), Bonde das Impostora (in memoriam), A Euterpia, entre outros que acabei gostando na época. =P

Pode ter sido uma fase em que pra mim o site tinha boas opções. Ou pode ter sido uma boa fase para o site. Hoje não o vejo mais com empolgação. Pelo contrário. Fujo de tudo que eles indicam. Eu mudei ou ele mudou?

quinta-feira, abril 10, 2008

Miss Eixão

O Balanço Geral de Goiânia lançou um concurso super cultural chamado Miss Eixão, onde escolherão a mulher mais bonita que utiliza o Eixo Rodoviário Anhanguera. A vencedora ganha uma moto + um kit Embeleze + um book profissional.

A notícia completa da reta final do concurso vocês vêem aqui. Nos concursos de Miss Something sempre têm os desfiles de trajes de banho, roupas típicas e trajes de gala. No Miss Eixão essa semana teremos desfiles de 'jeans com baby look' e 'bermuda com top'. Glamour!

Uma amostra. As finalistas aqui.


quarta-feira, abril 09, 2008

Kiss Kiss

Poxa, já é abril. =P

Sabe aquelas músicas que a primeira ouvida você não dá nada por ela, mas três escutadas depois o refrão gruda, você se pega cantando a tarde toda e passa a gostar? Foi o caso de Kiss Kiss. Também foi o caso de Neighbourhood #3 (Power Out).

domingo, março 30, 2008

Para refletir

A música nacional é muito rica em significados. Vez ou outra nos brindam com o que há de melhor da filosofia de revista. Versos que levam a profunda reflexão, como este da banda Cidade Negra:

No coração de quem faz a guerra
Nascerá uma flor amarela
Como um girassol

Sabe o que isso quer dizer? Gente, o Falcão é um cara do mal, semeador da guerra! =P


Bônus: um estranho no YouTube cantando Girassol.

segunda-feira, março 24, 2008

Twitter

Voltei pro twitter, aqui.

Vocês não imaginam a quantidade de besteira que dá pra falar com apenas 140 caracteres.

quarta-feira, março 19, 2008

Mitologicamente falando

Já fiz Introdução aos Estudos Literários tantas vezes que até me sinto graduada em literatura grega. Por mais que eu diga que já estou de saco cheio da galera do Olimpo muito louca da pesada, que apronta alta confusões, sempre me vejo as voltas com alguma obra grega em mãos.

É como se eu tivesse vivido no mundo vegetariano por quatro anos e quando finalmente posso comer carne, vou lá e escolho uma salada.

O último livro que peguei na biblioteca foi Contos e Lendas da Mitologia Grega, uma espécie de Teogonia de Hesíodo para crianças. E quando eu digo pra crianças, eu digo pra crianças mesmo.

Com direito a uma espécie de árvore genealógica que parece ter sido arrancada do diário de Zeus, na qual ele cita vovó Gaia, titio Hiperíon, mamãe Réia, entre outros. As uniões entre homem e mulher são representadas por coraçõezinhos. Zeus era tão amável que tem uma página só com ele no meio, rodeado por corações.

No meio da narrativa surgem diálogos inventados cheios de dramaticidade, como este entre Réia e Gaia: "Querida avó, preciso da sua ajuda. Seu filho faz desaparecer todos os filhos que concebo. Um sexto acaba de nascer. É um menino. Ajude-me a salvá-lo!". Ou esse outro entre Zeus e Deméter: "Intercederei por você junto a Hades. Ele vai devolver sua filha, ou não me chamo Zeus!". [em negrito os termos que achei mais, er, interessantes e dramáticos]

Pra crianças, ótimo. Pra se ter uma noção geral sobre mitologia grega, ótimo também. Agora pra se aprofundar, pra ver os textos como foram concebidos, nada melhor que as versões integrais. São histórias cheias de amor, ódio, intrigas e muita frescuragem. Recomendo muito.

P.S.: um site que sempre me ajudou muito a entender sobre esse muito grego é o Graecia Antiqua. O considero essencial.

P.S.2.: sem tempo e sem inspiração para blogar.

segunda-feira, março 10, 2008

Salve, salve, simpatia

Certa vez, uma amiga minha fez uma simpatia envolvendo rosas e uma sexta-feira virgem pra ficar com um garoto. Segundo ela, a simpatia funcionou. Eu nunca botei fé que tivesse dado certo por causa das amarrações e fitas coloridas e sim porque ela era bonita e o cara um galinha.

Entretanto, há pessoas que acreditam e levam a sério. Se esse for o seu caso clique aqui e suma do meu blog. Agora se você é como eu e acha que simpatias foram criadas pela Associação dos Floricultores para vender rosas fora do Dia dos Namorados fique.

Peguei duas simpatias pra comentar. A primeira é uma Simpatia Para o Amor Crescer e a segunda é Simpatia Para Esposa Ser Amorosa. No final uma faixa-bônus.

1. Simpatia para o amor crescer

Escreva o nome da pessoa amada em um pedaço de papel branco que deve ser colocado no interior de uma lata ainda cheia de fermento e enterrada em seguida.

Durante o processo, você deve ir dizendo:

Com esse fermento o amor de (nome da pessoa amada) vai crescer por mim e, também, o meu amor por ele (ela).

Este ritual deve ser feito no primeiro dia de Lua Nova.

Atenção, pessoal, é importante que o fermento não esteja vencido, ou a simpatia não vai funcionar! Essa simpatia não tem cara de ter sido criado pelo dono do mercadinho que tinha um estoque de Pó Royal quase perdendo e precisava se livrar daquilo logo?

2. Simpatia para a esposa ser amorosa

Compre uma corrente de ouro e dê de presente a sua esposa, colocando no pescoço dela, de preferência às 6 horas da manhã ou da tarde, mas sempre quando o sino de uma igreja estiver tocando.

Basta comprar uma corrente de ouro pra sua esposa, que eu tenho certeza que ela vai ficar amorosa! O resto taí só pra encher linguiça.

BÔNUS - Simpatia para mulher feia arrumar namorado


A mulher feia sofre por causa disso. Porém, as forças ocultas poderão ajudar uma mulher feia a conseguir namorado bem apessoado, até causando inveja nas amigas. Deve, para isso, proceder assim: pegar uma palma de espada de São Jorge, cortá-la em três pedaços e colocá-la para ferver por três horas. Deixe a água esfriar e lave o rosto com essa água, sempre solicitando que São Jorge transforme-a de "dragão" em princesa bela e desejada.


Nem preciso comentar. Ela fala por si só
.

domingo, março 09, 2008

Fantasiaaaaa, no ar!

Não, não será um texto sobre o recém extinto programa apresentado por Hellen Ganzarolli e aquele outro cara. Falo de fantasia no sentido palpável da palavra.

É muito comum as pessoas caírem aqui pesquisando por fantasias. O que me agrada, pois sou grande fã da Celebration Festas, desde a época em que chamava Celebration Fantasias e não escondia a cara dos modelos com um borrão.

A última dessas visitas que recebi, procurava fantasias de Mario e Luigi. Encontrei um site muito legal chamado Coolest Homemade Costume, onde você faz sua fantasia, tira uma foto, upa a foto e conta quanto gastou. Há variações de $7 (a mais barata) a $50 (a mais cara).

Agora, se você quer ser mesmo original, sugiro que vá fantasiado de Tetris:

sábado, março 08, 2008

Por que é impossível assistir filmes com minha mãe: Superman Returns

Um dos maiores exercícios de paciência que exerço é tentar assistir filmes perto da minha mãe. Às vezes nem estou assistindo o filme com ela, mas ela passa pela sala, olha a tv e senta. Minha última aventura foi durante o filme Superman Returns.

Eu coloco o filme no dvd e ela vê.

- Que filme você pegou?
- Superman.

*vinte minutos depois ela passa novamente pela sala e vê o Clark Kent*

- Esse é o Hércules?
- Não, mãe, é o Superman.
- Mas você disse que pegou o filme do Hércules.
- Não, mãe, eu falei que peguei o filme do Superman.
- Agustinho, ela não falou que pegou o filme do Hércules?
- Não, ela falou Superman mesmo.

*quinze minutos depois ela grita lá do quarto*

- Esse é o Superman que morreu?
- Não, mãe, é um novo.

*cinco minutos depois ela passa pela sala de novo e olha o uniforme dele*

- Por que a capa dele é marrom?
- A capa dele não é marrom, é vermellha. A cor está assim por causa da iluminação.

*ela vê o Lex Luthor*

- Nossa, esse é o Lex? Ele ficou tão feio depois de velho.
Obs: Lex novo, Lex velho.

*ela vê a Lois*

- Essa é aquela que ele era apaixonado quando era mais novo?
- Mãe, aquilo é Smallville, a história lá é diferente.
- Não é, é igual, as duas tem o Lex.

Então sucedeu uma briga entre nós duas discutindo sobre o filme vs. Smallville e eu acabei perdendo uma fala importante e tive que voltar um pouco.

- Viu, foi brigar comigo e perdeu a fala.
- Eu não briguei com você.
- Brigou sim. Agustinho, ela não brigou comigo?

Perdi a fala de novo e tive que voltar o trecho mais quatro vezes!

Lex Luthor fica preso em uma ilha deserta.

*Superman sai voando no final do filme*

- Ele foi buscar o Lex. Ele sempre salva ele.

E finalmente o filme acabou!

sexta-feira, março 07, 2008

Na floresta de Sherwood

Nos confins da sexta-série me mandaram comprar Robin Hood, da série Reencontro. Lembro de ter lido, mas lembro vagamente da história. Robin era um ladrão, que andava com um grupo de andarilhos, roubava dos ricos e dava pros pobres.

Assisti Robin Hood: Príncipe dos Ladrões, com Kevin Costner, numa tarde de domingo, na Temperatura Máxima. Também não lembro muito do filme. O que marcou mesmo foi o Brian Adams cantando Everything I Do (I Do It for You).



No sábado de manhã, a Record exibia um desenho muito mal feito chamado As Aventuras de Robin Hood. A música de abertura nunca me saiu da cabeça: "Na floresta de Sherwood/Havia o nosso herói o grande Robin Hood/ [...] de norte a sul/ [...]". Pena que pouca gente lembra.

Quando eu jogava Age of Empires II e precisava roubar pra conseguir ouro, era só digitar na tela de chat "robin hood". Propício, não?

segunda-feira, março 03, 2008

Divagações musicais em uma noite de insônia...

- Algumas bandas nacionais andam com a dicção tão ruim que a gente não sabe se estão cantando em inglês, português ou sânscrito. E só no final da música percebemos que era português o tempo todo...

- Você percebe que está ficando velha quando a rádio de tiozão tocando La Isla Bonita lhe agrada mais do que a rádio jovem e a rádio rock.

- Jota Quest ainda existe. E continua uma merda! Linkin Park idem ibidem. Melhor tirar da rádio jovem.

- Bruno e Marrone cantando Detalhes. Melhor tirar correndo e ignorar essa estação. E no meio da música (sim, eu ouvi. Não tinha nada melhor tocando!) entra o jingle da rádio.

- Acabou a bateria. Acho que B&M cantando o Rei foi demais pro meu mp4 player. Suícidio. Hora da morte 05:50.

segunda-feira, fevereiro 25, 2008

O Começo do Fim

Quando eu passava as tarde assistindo a boa fase da TV Cruj, em um dos programas o tema abordado foi a DE.FI.FÉ. - DEpressão de FIm de FÉrias.

Até que o nosso corpo se acostume com o horário, o ritmo, mudança de hábito, entre outras coisas, é um loooongo caminho.

Nessa última semana de férias, tenho vontade de fazer mil coisas ao mesmo tempo. Porém, tenho a consciência de que se fizer isso, quando começar as aulas vou estar mais cansada do que quando saí de férias, em julho do ano passado.

Então os posts vão estar piores, os feeds vão atrasar, as séries vão demorar um pouco mais pra serem vistas, a lista de filmes pra assistir vai acumular.

Eu poderia dizer que em contrapartida vou conhecer gente nova e sair um pouco de casa. Conhecer gente nova e sair de casa são duas coisas que eu detesto, mas prometi ser mais sociável dessa vez.

E só de pensar nisso, já me bate uma depressão de fim de férias.

sexta-feira, fevereiro 22, 2008

Games

Os jogos andam ocupando tanto tempo e dedicação do meu dia, que mal sobra tempo pra postar e pensar em algum assunto.

Na linha dos RPGs online, estou jogando Tribal Wars, pelo navegador mesmo, o que o torna apto pra rodar no meu pc velho. A temática do jogo é semelhante a Age of Empires. Você constrói uma aldeia e depois ataca a aldeia alheia.

No emulador de GBA, estou apanhando da Elite 4, em Pokémon LeafGreen. O meu Bulbassauro tá pra chegar no nível 60, enquanto o meu Goldeen está no 4. Preciso buscar um equilíbrio, mas treinar cansa demais.

Ainda no emulador, comecei anteontem a jogar Zelda: The Minish Cap. Meu namorado é doido pelas aventuras do Link, então eu decidi jogar pra agradá-lo e garantir uma aliança no meu dedo anular esquerdo, no futuro. O jogo é bom, recheado de puzzles e me faz exercitar o cérebro um pouco.

Nos jogos próprios pra PC, estou jogando Final Fantasy VII: Ultima Edition. O começo é muita enrolação, muito blablablá e um século pra sair da primeira cidade. Depois de sair dela, o jogo deslancha e você se vê as voltas de tentar capturar um chocobo pra poder passar por uma cobra gigante.

Ainda pra PC comecei a baixar American McGee's Alice. Gostei das imagens, do enredo, essa coisa de tornar sombria uma história infantil. Só não sei ainda se vai rodar no meu pc velho.

terça-feira, fevereiro 19, 2008

Dr. Casa

Estive pensando...

Se um dia a Globo fizesse uma versão nacional de House M.D., o próprio seria representado por ninguém mais, ninguém menos, do que... Zé Mayer!

Ó, é Rede Globo, um lugar onde Zé Mayer é galã. Num mundo quase bizarro ele até que tem um biotipo parecido com o do Hugh Laurie. Ele já interpretou um médico em Mulheres Apaixonadas (?), ou seja, tem experiência em hospitais.

Ainda bem que a detentora dos direitos da série no Brasil é a Record. Ou não, vai que ela resolve fazer uma novela médica...

segunda-feira, fevereiro 18, 2008

Meu pai e a queda de luz

Ontem acabou a energia aqui em casa. Então meus pais, eu e meu namorado fomos para sala conversar. Meu pai fez todo um discurso sobre a falta de energia favorecer os diálogos familiares, que se não existisse televisão e computador haveria maior comunicação, finalizando com um discurso sobre sua infância sem tecnologia. Meia hora depois a energia volta e a primeira coisa que ele faz é procurar o controle remoto da tv...

domingo, fevereiro 17, 2008

Vergonha Alheia: Didizinho

A única vez em três anos que vi A Turma do Didi, me deparei com uma das maiores vergonhas alheias da minha vida!

Primeiro gostaria de esclarecer que o Didi sempre foi meu trapalhão menos preferido ever. Mussum e Zacarias eu achava engraçados, Dedé eu achava bonito (!) e Didi era menos que Tião Macalé, Sargento Pincel e Conrado no meu coração.

Depois que Didi partiu pra carreira solo a coisa nunca mais funfou. Até gostei de alguns filmes dele como Simão, o Fantasma Trapalhão e O Noviço Rebelde, mas parou aí. Na tv, ele bem que tentou recrutar atores para desempenhar personagens parecidos com o elenco original de Os Trapalhões. Sem sucesso.

Até que ele me saiu com isso:



Não sei o que é pior: figurino, maquiagem, a frase 'Didi fez totô', a claque ao fundo, ou ver gente que realmente acha isso engraçado!

sábado, fevereiro 16, 2008

Primeiro! Primeiro! Primeiro!

Era uma vez, quando os fotolog.net habitavam a rede e todas as pessoas com menos de 15 anos atualizam seus fotologs diariamente, um tipo de comentário surgiu. Algo parecido com "primeiruh a komentáàh rsrsrs huahuahuahaua bjux".

O que era exclusivo dos flogs se espalhou pros blogs, principalmente em sites com leitores demais com cérebro de menos. Não há justificativa plausível pra esse tipo de comentário, a não ser que se dê um prêmio pro primeiro a comentar.

O que virá em seguida? "Comenta no meu, que eu comento no seu?" ou "Me add?".

sexta-feira, fevereiro 15, 2008

Desventuras - 3 x 4

Hoje fiz minha matrícula na faculdade. Para tal precisei tirar uma foto 3 x 4. Fotos para documentos são uma tortura pra pessoas assombradas pela Praga de Regina Duarte, como eu.

A Praga de Regina Duarte consiste em uma força invisível que ao ver o flash da câmera puxa o pescoço da vítima para o lado, fazendo com que ela saia em fotos assim:

Voltando a ontem, o dia em que eu deveria tirar a 3 x 4. Aconteceu comigo o que acontece com todas as pessoas desprovidas de sorte quando precisam tirar fotos importantes: BAD FUKING HAIR DAY. Ok, o cabelo já estava uma droga, vamos tentar salvar o rosto.

Para as olheiras pó compacto. Peguei o pó e passei embaixo do olho. Ao invés de clarear foi ficando mais escuro. Passei na testa pra ver qual era o problema e minha testa também ficou mais escura. Olhei pro pó compacto em minhas mãos e notei que eu havia pego o da minha mãe. (Minha mãe compra o pó sempre mais escuro que o tom de pele dela. Apesar de nunca ter confirmado, acho que ela faz isso pra passar um efeito de falso bronzeado).

Ótimo, meu cabelo estava armado, minha testa e embaixo dos meus olhos estavam escuros e o resto do rosto mais branco do que nunca. Tentei limpar correndo (meu pai tinha me dado um ultimato) com a toalha mesmo e não saía. Deixei isso pra lá e fui cuidar do resto.

Nos olhos rímel. Bom, foi assim que eu pensei quando peguei o rímel. Ao abrir percebi que ele tinha ficado duro e empelotado. Passei assim mesmo. Uma bolinha de rímel endurecido caiu no meu olho. Dá-lhe dedo no globo ocular pra tirar.

Passei um gloss correndo, peguei minha bolsa e fui. O que aconteceu quando cheguei pra tirar a foto? Um vento me acompanhou do carro até a loja. E o meu cabelo piorou. Fui atendida por duas mocréias mal educadas. A Praga de Regina Duarte se manifestou. A suposta fotofobia me fez arregalar um olhão com medo de piscar. Quatro fotos depois o jeito foi escolher a menos pior.

E o resultado? Bem, esse eu não mostro pra ninguém!

* * * * *
Ainda no mesmo dia, enquanto eu esperava a impressão das fotos, começou a tocar na rádio da loja Umbrella. Eu passei o ano todo fugindo dessa música! Da mesma forma que tentei fugir da Dança do Créu, mas o SBT fez o favor de colocar essa música na propaganda da minha novela preferida! Só que ao contrário do Créu, Umbrella grudou e virou meu mais novo guilty pleasure. Droga!

quinta-feira, fevereiro 14, 2008

Happy Valentine's Day!

Hoje 14 de fevereiro comemora-se o Valentine's Day, uma espécie de dia dos namorados americano. A diferença é que se presenteia geralmente com doces e cartões as pessoas de que se gosta e não apenas o namorado. Bom, eu acho que é assim pelo que vi no desenho dos Peanuts!

Quem quiser saber da origem dessa data esse texto aqui (em inglês) conta algumas versões sobre quem era Valentine. E antes que alguém me acuse de ser uma idiota, paga pau de data comemorativa americana, defensora do consumismo, já aviso que o foda-se está ligado.

Caso você não saiba fazer doces, nem cartões, um belo presente é esse livrinho do Snoopy, lançado pela L&PM Pocket. Nem é caro e eu tenho certeza que qualquer garota, principalmente se ela for bonita, ruiva e tiver um blog que completou dois anos essa semana, adoraria ganhar! =D
Pra completar separei umas tirinhas bem legais que encontrei sobre o tema. Tem essa aqui, do Retarted Comics, que escolhi porque gostei dos traços. Essa, do Savage Chickens, porque galinhas são divertidas. Essa, pelo humor negro. E finalmente essa, pelo conjunto da obra e por conter minhas cores preferidas.

Por fim, um Happy Valentine's Day para meu namorado oficial, para o pessoal do GEC, pros meus namorados do mundo das séries (Sawyer, Dwight, Ross, Alf o ETeimoso, Grissom, etcetcetc). [Sim, eu tenho um namorado em cada série que assisto.]

quarta-feira, fevereiro 13, 2008

Ano 2

Ontem esse blog fez dois anos. Não, eu não esqueci. Pelo contrário. Até fiz um vídeo muito bonitinho, onde vocês poderiam inclusive ouvir minha voz. Subi o dito pro youtube e ele não funfou. Salvaram-se as fotos do que dizia o vídeo.







Esse novo ano no blog não traz layout novo, porque vocês sabem que eu vivo mudando. Também nesse novo ano o blog volta a ser só meu. Fica aqui os agradecimentos ao Shanti por todos os posts escritos!

domingo, fevereiro 03, 2008

Os Pequenos Rebeldes

Então quando a gente acha que já viu de tudo dá de cara com esse cd nas prateleiras das Lojas Americanas.
E fica óbvio que é fruto do SBT quando vemos que o título é Bom Dia & Cia Apresenta: Priscila e Yudi em os Pequenos Rebeldes. Claro que fica óbvio que é fruto do SBT só de olhar pra capa...

E a descrição do cd, de acordo com o Submarino:

Não deixe de conferir este álbum fantástico (!) em que Yudi Tamashiro, 13 anos, e Priscila Alcântara, 10 anos, interpretam alguns dos maiores sucessos (!!) do mega fenômeno (!!!) RBD. A dupla ficou famosa (!!!!) e ganhou a atenção da garotada comandando o "Bom Dia e Cia", um grande sucesso de audiência do SBT. Imperdível!

Só não vou refutar a parte do 'sucesso de audiência' porque eles concorrem com Ana Maria Braga. E olha que pra não ganhar dela no ibope tem que ser muito, mas muito ruim e o Bom Dia & Cia passam uns desenhos razoáveis.

A Maldição das Meninas Superpoderosas

Já faz uns dias estou tentando escrever alguns posts. Já tenho mais ou menos cinco rascunhados, mas que depois de um ponto não sai nada. E tudo isso é culpa das Meninas Superpoderosas.

Não vou me ater em detalhes, usem a imaginação, só sinto que enquanto eu não assistir a todos os episódios das Superpoderosas nunca mais conseguirei escrever.

Espero voltar em breve, já que dia 12 o Garota Congelada faz 2 anos.

Que Professor Utônio tenha pena de minha alma. Até breve.

terça-feira, janeiro 29, 2008

Get Lost again

Em setembro de 2006, escrevi um post assumindo nunca ter assistido Lost. Muitas pessoas comentaram que eu deveria assistir e muitas assumiram também nunca ter assistido. Algumas dessas pessoas como é o caso da Ana e do Lord, assim como eu, acabaram se rendendo a série.

Domingo, finalmente, acabei de ver a 3ª temporada e pela primeira vez irei acompanhar junto com todo mundo! E o melhor disso é conseguir entender os spoilers.

Quando eu estava no final da segunda temporada e a terceira já tinha acabado, vi em algum lugar essa imagem:

Primeira coisa que eu pensei: não é um barco pênis. Barco pênis seria um barco parecido com um banana boat. Depois de ver a bizarrice que seria, dizer que os roteiristas só deveriam estar loucos e por fim terminar o episódio Through the Looking Glass, que pude entender afinal o que isso significava. E que mais mistérios estão por vir.

Lost volta nessa quinta-feira nos EUA e sexta-feira no meu computador.

quinta-feira, janeiro 24, 2008

Musical do Ensino Médio

Daí que ontem eu vi no Jornal do SBT, e hoje na Folha Online, que a Disney e o SBT pretendem lançar uma versão brasileira de High School Musical, adaptado pra cultura brasileira. Os atores serão escolhidos através de um reality show nos moldes de Popstar.

1 - Adolescente é mestre em fazer drama. Se os highschoolzetes não gostarem dessa versão vão fazer biquinho, bater o pé e ir pras ruas queimar pôsteres da versão brasileira.

2 - Esse negócio de adaptar pra cultura brasileira, não vai dar certo. Quem viu o filme sabe que a base dele é muito americana: esse lance de popularidade, basquete, musical. Eles vão ter que reescrever o roteiro. E aposto que vão tirar basquete e colocar futebol.

3 - Escolher elenco em reality show não dá certo. Vide Casa dos Artistas apresenta Protagonistas de Novela, cuja vencedora não foi protagonista, mas sim ultra coadjuvante.

Alguém mais acha que isso não vai dar certo?

segunda-feira, janeiro 21, 2008

Leitura

Uma coluninha rápida só pra manter controle do que eu ando lendo em 2008.

Lidos

01. Snoopy - É Natal! - Charles Schulz
02. Fantasma da Ópera, O - Gaston Leroux
03. Mágico de Oz, O - L. Frank Baum
04. Carrie, a Estranha - Stephen King
05. Conquistadores, Os - Julio Verne
06. Odisséia, A - Homero

Lendo

01. Misterioso Caso de Styles, O - Agatha Christie
02. Gabriela Cravo e Canela - Jorge Amado


terça-feira, janeiro 15, 2008

O efeito Carnaval

Eu assino a newsletter da revista Manequim. Se eu não usasse Gmail, seria um desperdício na minha caixa de entrada, já que eu não sou o público alvo da revista e não a folheio desde que minha avó se aposentou, lá pros meados dos anos 90.

Mesmo assim eu gosto de dar minhas espiadinhas. Porém, nem sempre elas têm um saldo positivo. Às vezes me deparo com coisas do tipo:

Taí, Juliana Knust pronta pra sair na ala das baianas, com esse vestidinho.

quarta-feira, janeiro 09, 2008

Uma canção, duas perspectivas

Parece que o livro dos 1001 Discos vai me dar assunto pra post pro resto da vida.

Hoje baixei o primeiro disco da Joan Baez, de 1960, sem grandes expectativas. Folk... Eu até encaro Bob Dylan, às vezes, mas até hoje não entendo por que. Comecei a ouvir e não gostei. Comecei a me maldizer por sempre escolher os piores discos do livro pra baixar, quando começou a tocar Henry Martin.

Sabe aquele apito que toca sempre que você percebe que conhece/já viu algo, mesmo sem saber de onde? Então, meu apito tocou. Uma pesquisa rápida no Google e descobri que era uma canção tradicional da Escócia, e que eu provavelmente já ouvi ao menos a melodia em algum filme de época.

Olhando a resenha do disco, que não tinha lido até então, soube que o conteúdo era composto de canções tradicionais. Minha curiosidade aguçou e comecei a pesquisar sobre as músicas seguintes. Foi aí que começou a tocar uma velha conhecida: The House of the Rising Sun.

Essa canção é um folk tradicional norte-americano, de autoria desconhecida, que pode ser cantado através de duas perspectivas, a masculina, mais conhecida com o grupo The Animals, e a feminina, mais conhecida com a própria Joan Baez.

Com uma letra marcada pelo mistério de sua origem e pela ambiguidade sobre o que seria a tal casa do Sol Nascente (uns dizem ser um prostíbulo e outros uma prisão), a música me pegou totalmente e com ela o resto do disco.

Encontrei mais uma boa canção pras tardes de karaokê.

terça-feira, janeiro 08, 2008

apresentando: A Princesa Xuxa e os Trapalhões

Houve uma época em que os filmes da Xuxa pipocavam anualmente na telinha da Sessão da Tarde. Não que hoje seja muito diferente, mas naquela época era, er, especial. Havia também os filmes d'Os Trapalhões, que eram muito mais divertidos do que os filmes da Xuxa. Eis que um belo (?) dia decidiram misturar os dois e o resultado foi o filme Princesa Xuxa e os Trapalhões.


Trailer do filme.

A história é assim: Xuxa é Princesa Xeron virgem e orfã, cujo trono do planeta Antar foi usurpado pelo malvado Ratam. Ele então escraviza todas as crianças, pois é um cara muito malvado, buuu. Xeron, tapada, nem desconfia. Do lado de fora três príncipes interpretados por Mussum, Dedé e Zacarias aliados a Didi, como Cavaleiro Sem Nome, tentam salvar o mundo.

Esse é um filme que se vende pelo elenco e não pela história. O nome da princesa não é Xuxa e Os Trapalhões não estão lá como Didi, Dedé, Mussum e Zacarias. Seria como mudar o título de 'O Assinato de Jesse James' para 'O Assassinato de Brad Pitt'. Mas é claro que colocar dois nomes de peso, na época, logo no título chamaria muito mais a atenção.

As poucas coisas que lembro do filme estão meio nubladas. E são essas poucas coisas que eu gostaria de comentar.

- Didi, como Cavaleiro Sem Nome, fazendo parzinho com a Xuxa.
Até hoje quando lembro da cena em que eles se beijam em cima de uma duna fico constrangida. Também ficava constrangida quando ouvia o Didi ser chamado de Cavaleiro Sem Nome. Aliás, ficar constrangida e com vergonha alheia eram as coisas mais comuns quando via esses filmes.

- Cena da Xuxa nadando na lagoa/rio/poça d'água.
Eu ficava com tanta vergonha dessa cena, que se minha mãe estivesse perto eu trocava de canal.



Xuxa vs. Ratam

- Presença do Trem da Alegria e a cena da lata de refrigerante.
As crianças escravizadas eram ninguém menos do que o Trem da Alegria. Eles eram figurinha carimbada no Xou da Xuxa, e como nesse tipo de filme nacional é muito comum a presença de bandas do momento, era certo que um dia eles estariam num filme.
Então, numa das cenas finais, todos embarcam em uma nave espacial. Algumas cenas da Terra, o planeta que eles pretendem ir, começam a passar. Um menino aperta um botão que não devia e uma lata de refrigerante, se não me engano Pepsi, aparece. Ele abre, faz cara de levado e toma. É o suficiente pra Xuxa fazer um escândalo.

- Roupas futuristas da princesa.
Não sei de onde saiu que no futuro e em outros planetas só existe a cor prata. As roupas que Xuxa usou durante sua fase princesa no castelo, eram recheadas de arames em formato circular e muito prata.

- Um vilão chamado Ratam.
Ratam! Ratam é matar ao contrário!

Por essas e outras que A Princesa Xuxa e os Trapalhões é um clássico e o meu filme preferido da Xuxa, depois de Lua de Cristal.